#  DESTAQUES  #




Siga-nos no Facebook


Videos GHVS



















SERVIÇOS :: Serviços Especiais « anterior
Banco de Sangue

O Banco de Sangue funciona 24 horas por dia, 365 dias por ano, sendo possível usufruir dos seus serviços a qualquer hora do dia, em qualquer dia da semana.

 

Graças aos nossos dadores, dispomos de componentes sanguíneos de cão e de gato, colhidos e processados de acordo com todas as regras de assepsia e higiene, de forma a manter estáveis os conteúdos celulares necessários para transfusão.

O Banco de Sangue funciona 24 horas por dia, 365 dias por ano, sendo possível usufruir dos seus serviços a qualquer hora do dia, em qualquer dia da semana.

Medicina Transfusional

Em medicina veterinária, os animais podem desenvolver doenças graves, tais como anemias, hemorragias internas, coagulopatias intravasculares disseminadas, entre outras. Nestas doenças pode ser necessário uma transfusão sanguínea, quer de sangue total, quer de outros componentes, tais como plasma, concentrado de glóbulos vermelhos, entre outros. 

Tal como em medicina humana, as transfusões sanguíneas são sempre um risco se não forem tomadas as devidas precauções. É necessário saber o tipo sanguíneo em causa, e a unidade colhida deve ser processada, e armazenada com todas as condições que são exigidas.

Atualmente, as transfusões sanguíneas realizadas nas devidas condições, com unidades de sangue seguras têm salvo a vida a muitos dos nossos pacientes.

Grupos sanguíneos e Provas de compatibilidade

Grupos sanguíneos do cão: Actualmente existem mais de uma dúzia de sistemas de grupos sanguíneos descritos em cães.

Os mais antigénicos são o DEA 1.1, 1.2 e 7. Um cão negativo para estes 3 grupos é considerado “dador universal”.
O grupo mais susceptível de causar reacções de incompatibilidade é o DEA 1.1. Por esta razão, todos os cães submetidos a uma transfusão devem ser tipificados para o antigénio DEA 1.1, de forma a minimizar e possibilidade de reacções adversas.

 

Os cães DEA 1.1 positivo podem receber sangue de um cão DEA 1.1 positivo ou DEA 1.1 negativo. Os cães DEA 1.1 negativo apenas podem receber sangue do tipo DEA 1.1 negativo.

Não esquecendo o factode existirem mais antigénios eritrócitários, é de extrema importância que realizem igualmente o Major e Minor Crossmatch, provas de compatibilidade que nos permitem verificar a presença de anticorpos e antigénios agrupados (aglutinação).

Os cães apresentam ainda a particularidade de não possuírem anticorpos naturais contra os antigénios eritrocitários, pelo que é possível realizar a primeira transfusão sem realizar provas de compatibilidade. Contudo, as células transfudidas podem ter um tempo médio de vida reduzido e não melhoram o estado de saúde do animal.

 

Quando pode ser necessária uma transfusão

Existem várias doenças nos nossos animais de companhia, as quais podem despoletar de alguma forma a necessidade de uma transfusão.

Temos como exemplo a parvovirose canina: devido à lesão que o vírus e infecções secundárias provocam na parede intestinal, os animais sofrem de diarreia hemorrágica e para além da diminuição de absorção de proteínas, sofrem também perda. Nestes casos pode ser crucial a transfusão de plasma fresco ou mesmo sangue total.

Segue-se uma lista de casos em que pode ser necessária uma transfusão sanguínea:

  • Hemorragias (internas ou externas)
  • Insuficiência Renal
  • Coagulopatias (deficiência em factores de coagulação)
  • Trombocitopatias (deficiência em plaquetas)
  • Enteropatias com perda de proteína/ hipoglobulinémias (ex.: parvovirose; panleucopénia)
  • Intoxicação por dicumarínicos

 

Componentes Sanguíneos

Aquando da realização de uma colheita, obtem-se do dador uma unidade de sangue total. Contudo, essa unidade poderá ser tratada e processada de forma a ser obter apenas os componentes sanguíneos necessários a um receptor, dependendo das suas necessidades.

Dentro dos vários componentes possíveis, o BSA-GHV tem à disponibilidade, para além de unidades de sangue total, unidades de concentrado de eritrócitos, plasma fresco congelado e plasma congelado.

 

Sangue Total e Sangue Total Fresco

Composição: eritrócitos, leucócitos, plaquetas sanguíneas (apenas nas primeiras 24 horas) e alguns factores de coagulação (apenas nas primeiras 24 horas).

O sangue total deve refrigerado (2-6ºC), sem sofrer grandes variações de temperatura. Poderá ser fresco, se utilizado nas 6 horas a seguir à colheita, tendo mais componentes sanguíneos. A validade do sangue total é de 35 dias (com CPDA-1)

Em casos de hemorragias activas graves, coagulação intravascular disseminada (CID), trombocitopenia, hemofilia, doença de von willebrand e síndrome de resposta inflamatória sistémica (SRIS) é aconselhado o uso de sangue total fresco.

 

Concentrado de Eritrócitos

Composição: Eritrócitos, leucócitos e plaquetas (não viáveis)

O concentrado de eritrócitos deve ser utilizado sempre que não hajam alterações ao nível da pressão oncótica e/ou apenas sejam necessários os eritrócitos.
O seu armazenamento deve ser em refrigeração (2-6ºC), com uma validade de 35 dias ( com CPDA-1). A utilização de concentrado de eritrócitos evita sobrevolémias e diminui os riscos de reacções de incompatibilidade, causadas principalmente pelas proteínas plasmáticas.

A utilização de concentrado de eritrócitos permite também salvaguardar unidades de plasma fresco congelado para animais que realmente necessitem.

 

Plasma Fresco Congelado e Plasma congelado

Composição: Proteinas plasmáticas (albumina e globulinas) e factores de coagulação (incluindo os termolábeis)bsa7

As transfusões de plasma estão indcadas quando há diminuição da pressão oncótica, por falta de proteínas e albumina, ou quando há deficit de factores de coagulação.

Para o processamento de plasma fresco congelado é necessária uma centrifugação refrigerada. O plasma deve ser congelado (-18ºC). Após 1 ano de armazenamento, os factores de coagulação termolábeis perdem-se, passando o plasma a denominar-se apenas congelado, tendo uma validade de mais 4 anos congelado (-18ºC)

 

Finalidades

As doenças que os animais de companhia apresentam influenciam o componente sanguíneo a escolher, tal como indicado no quadro abaixo

TABELA

 

Componente Sanguíneo

1ª escolha

Alternativo

Anemia

CE

 

Anemia com Hipoproteinémia

CE; Plfc; Plc

ST; Colóides

Anemia

Hemorrágica

CE; Plfc

ST; Colóides

Anemia com coagulopatia

CE; Plfc

ST; colóides

Síndrome

Evans

CE

ST

Pancitopénia

CE; CP

ST

Intoxicação por dicumarínicos

Plfc; Pl

-

CID

Crioprecipitado

CE; Plfc

Hemofilia A

Crioprecipitado

Plfc

Hemofilia B

Pl

Plfc

Hemofilia C

Pl

Plfc

Doença von willebrand

Crioprecipitado

Plfc

Intoxicação por warfarina

Plfc

Pl

Trombocitopatia

CP

STf

Hipoproteinémia

Plfc; Pl

Colóides

Deficiência em protrombina

Crioprecipitado

Plfc

Deficiência em fibrinogénio

Crioprecipitado

Plfc

Sépsis

Pl

Plfc

Hipoglobulinémia

Pl

Plfc

Hepatopatia com coagulopatia

Plfc

-

Hepatopatia com anemia

CE; Plfc

-

Pancreatite

Plfc

-

Isoeritrólise neonatal

CE

-

 

Segurança e Qualidade

As transfusões sanguíneas são um procedimento que deve ser proporcionado nas devidas condições aos pacientes, com unidades sanguíneas seguras, para reduzir o risco de ser ineficaz ou de causar reacção de incompatibilidade.

​​

Existem várias doenças veterinárias susceptíveis de serem transmitidas por via hematogénea. Por outro lado, Todo o envolvente da dádiva sanguínea, desde a colheita até ao acondicionamento das unidades sanguíneas colhidas pode influenciar a qualidade da unidade colhida.

Tendo em conta todos os riscos que um mau processamento e/ou acondicionamento de uma unidade sanguínea, o GHVS-BSA tem como principal finalidade fornecer qualidade e segurança, regendo-se pelos seguintes conceitos:

  • Selecção de dadores saudáveis, com idades entre 1 e 8 anos, que realizam check up’s semestrais;
  • Tipificação Sanguínea e Crossmatching dos dadores
  • Colocação de microchip
  • Vacinas em dia (inclui protecção vacinal para Parainfluenza, Parvovirus, esgana, lepstospira, Rabdovirus, Leishmania e babesia)
  • Desparasitações internas (incluindo para dirofilariose) e externas (incluindo para flebotomos) em dia
  • Análises sanguíneas
  • ELISA FIV/FeLV (gato)
  • ELISA Dirofilaria (cão)
  • ELISA Leishmania (cão)
  • Método Knott (cão)
  • Gota a fresco (cão e gato)
  • Hemograma antes de qualquer dádiva (cão e gato)
  • Esfregaço sanguíneo antes de qualquer dádiva (cão e gato)
  • Avaliação de esfregaços sanguíneos por técnico creditado


Serviços

  • Stock de unidades de sangue total, Plasma fresco congelado e concentrado de eritrócitos
  • Tipificação sanguínea de animais (cão e gato), assim como a realização e provas de compatibilidade (Major e Minor Corssmatch)
  • Recolha de unidades colhidas noutras clínicas para processamento e separação nos componentes necessários
  • Entrega de unidades sanguíneas na área de Almada e Grande Lisboa mediante encomenda prévia
  • Colheita e/ou processamento de unidades sanguíneas externas (ou seja, da clínica/hospital que requisitar)
  • Provas de coagulação: Teste Surgicutt, ACT (tempo de coagulação activada)
  • Transfusões externas no nosso Hospital (com transporte do dador)

 

Contactos e Encomendas

As encomendas poderão ser realizadas a qualquer hora do dia, a qualquer dia do ano.
Poderão contactar-nos também para qualquer dúvida no que diz respeito a transfusões sanguíneas

GHVS -  H O S P I T A L    V E T E R I N Á R I O
Rua General Humberto Delgado, 81 - Vale Figueira - 2815-848 SOBREDA
Tel/Fax: 212 765 101 - Móvel: 96 505 62 22 - Email:  ghvs@ghvs.pt

BANCO DE SANGUE (Revista BSV - GHVS)

 

 

Realizado e editado por Miguel de Vasconcelos Lains.